quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Qual a necessidade de tanto se falar de determinado comportamento na primeira pessoa? De tanto se evocar palavras...palavras que não se praticam? Será a consciência a falar baixinho nos atos que não se aplicam?

Sem comentários:

Enviar um comentário