domingo, 30 de outubro de 2016



Olhei para aquela foto, um retrato parado no tempo, como se o tempo não avançasse pelos dias...olhei e tudo parecia tão natural, tão simples...será que o tempo nos guarda estas memórias para conhecermos em maior rigor a passagem real do tempo e aquilo que muda embora os sentidos sejam os mesmos...tudo muda, naturalmente...na profundidade das recordações que os retratos guardam conseguimos ver e ouvir o passado aqui ao lado...talvez para que o futuro seja outro tempo...um momento!

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Espero sempre pela serenidade do pensamento para o libertar...quando a agitação ocupa espaço aguardo novos passos serena(mente)...aberta(mente)!

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Ontem olhei para trás e já não vi o passado...há sempre um dia que o passado se dissipa num qualquer nevoeiro...o farol dos sentidos apita sem som...é o recomeço sem passado que nos chama!

domingo, 23 de outubro de 2016

Somos feitos de muitos nadas...nadas que se encaixam em conformidade com a postura individual e emotiva...somos a conjuntura de todos os nadas que guardamos em crescimento!

sábado, 22 de outubro de 2016



Todos ou muitos proclamam a frontalidade...aplaudem quando se é frontal com outrem...na verdade poucos entendem o seu significado porque quando a frontalidade é para além do espelho...é para dentro de si mesmo já não lhe chamam frontalidade...dão-lhe nomes como vaidade, arrogância...etc...o ser frontal é fundamental para se existir dentro de nós mesmos...sem deixar a simplicidade com verdade!

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Tenho os meus ideais... vivo a aprender com o conhecimento aberto...fechada para mudanças que nada alcançam...e isso pode ser um bloqueio a outros (c)queres...para mim é eu ser...como digo muitas vezes: por muito que os outros não me aceitem é comigo que vivo 24 horas por dia...por isso é comigo que tenho que me sentir bem...

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Se eu esse soubesse como guardar o sol para te oferecer em todas as manhãs de nevoeiro, não haveria dias cinzentos no teu olhar...

domingo, 16 de outubro de 2016

Gosto de olhar o mundo e de ver sementes a desabrocharem perto do meu olhar...gosto de sentir a leveza de que com um pequeno gesto ter influência nas nascentes que correm por aí...silêncios meus no universo meu que me faz ser eu feliz assim...

sábado, 15 de outubro de 2016

Nós não somos aquilo que dizemos dizer...somos aquilo que cada um vê em nós por tudo aquilo que fazemos...e podemos ser de muitas formas porque além do que dizemos ser e o que fazemos para ser, quem vê tem a liberdade de ver e sentir com seu âmago...

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Quando escrevo um poema, sou eu e o tema numa folha em branco...ninguém sabe o que me vai no pensamento...e quando me lês deve acontecer o mesmo...tu e o poema...só assim vale a pena...e ficamos unidos pelo silêncio no poder/prazer da linguagem!

sexta-feira, 7 de outubro de 2016



Há um silêncio outonal na nostalgia destes dias...as folhas que caem...a árvore a ficar nua...continuam as estações dentro e fora do peito...renovações que este tempo dispersa pelos pensamentos abertos aos sons da natureza!

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Ter um sonho é legitimo a todo os seres...concretizar os sonhos passa por aprender, crescer e conhecer o caminho por onde se passa até ao topo do sonho...de nada serve o sonho se assim não for...será um pedaços de leviandade que nada acrescenta à humanidade!

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Nunca encares a vida como uma guerra...olha-a como uma luta de luz em busca da claridade que existe nos fios do horizonte!