quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Quando recuo nas palavras encontro pedaços vivos...patentes do coração em emoções vivas...tão reais que parecem nascidas no agora do hoje...
Ao som da lareira desço o silêncio em palavras desordenadas... frias como os movimentos que o meu sentir observa na janela aberta... onde não me escondo para poder sentir o vento deste Outono!
 É fácil amar mas a humanidade faz desta simplicidade um complexo imenso!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Sorriu no leve sentir onde o profundo me toca... como um saxofone nas mãos do destino...dentro do olhar reservo as notas pautadas que me ensinaram a dançar!
Projetar o olhar em frases elaboras é o alimento da alma que as sabe colocar no corpo em movimento!

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Tenho tantos momentos só meus...dispersos por palavras soltas nas pontas leves dos dedos...momentos de tempos em tempos que se espalham em folhas libertas...pensamento na mente sem mentira...vaidade ou simplicidade fingida...momentos meus onde me redescubro nas sombras que se julgam ocultas!

domingo, 25 de novembro de 2012

Só quem sente aquilo que eu sinto...sabe entender o que não sei dizer...somente quem conhece a liberdade de estar sabe entender este meu sentir...contudo o meu sentir de consentir não é o mesmo que permitir!

sábado, 24 de novembro de 2012

A chuva continua a cair...a terra canta sabores de invernia...a lareira acesa chama a leitura de um bom amigo...o livro que levará o calor a mente e o sossego ao pensamento!
Respeitar não é o mesmo que concordar...deixar as ideias espalhadas é um erro crasso...esperar que se pode partir e chegar sem nada mudar é demonstrarão de pouca importância com o semelhante...aquele que cala mas sente!
Chove lá fora...no silêncio o sol brilha...crepita novas fontes de amoras frescas recolhidas no caminho empoeirado do Verão...e neste Inverno outonal nada mais é ténue nos cristais da luz do meu âmbar!

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Entrego os pedaços que não são parte de mim...e parto ao encontro deste dia com a sol a vestir toda a alegria de contemplar as formas universais...as tais que nem todos atingem com o olhar interno...a fragrância do Outono domina os caminhos...e eu...canto as vozes do destino!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

As mãos frias do vento...o calor de um momento aconchega a vida em plena harmonia...quando nos chega em rostos de Primavera florida!

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A grande maioria pensa que vê com os olhos...mas na verdade é o coração que vê por isso tantas coisas contém imensas formas!
Poderemos esconder o corpo...mudar o rumo em prumos de conveniência...mas não conseguiremos esconder a alma da consciência...mesmo afastando todo o território mundano!
O sol reina sobre este dia...trespassa os vidros numa luz uniforme e quente...a alma alimentasse deste aroma num vasto rasgo de esperança...caminhar em gratidão por entre a chuva até chegar à desfolhada da Primavera onde tudo é mais ténue!

domingo, 18 de novembro de 2012

Observar por vezes é um acto doloroso...compreender um acto impossível aos sensíveis...encarar de frente é o mais fácil para quem sabe decifrar os campos de Inverno...e só se consegue de alma leve!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Com a chuva a cair...escorrem as luz ténues da noite num bocejo de harmonia...os ventos cantam bravios...a natureza retoma ao aconchego do sentir...
No começo do dia há sempre um recomeço mesmo com as horas gastas... as renovações entram pela porta do olhar quando os raios de sol espreitam e dizem "Bom dia"...a alma canta enquanto aguarda a luz da verdade a brilhar num canto onde se encolhem as vozes que murmuram escuros momentos...o espírito leve caí por meros instantes para elevar a um patamar mais elevado de sorriso renovado e solto...nos encontros dos desencontros fugazes no espelho de frente ao olhar!

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O acaso é um pequeno momento no fim do dia...tudo o resto é plena sintonia!
Essa é a verdadeira alavanca para emergir...e no meu sorriso desenhar as formas sentidas com vida...
Tudo vale o que vale...o pleno sentir de tudo é o fluxo do sentir liberto de fardos...o grande valor é o pedaço que o nada têm na recolha de um sentido...aquele que cada um lhe dá em pleno ser e crer...não me arrasto em ventos nem caminho por onde me querem levar...na valorização de tudo o nobre sentir é o conhecimento que o tempo mostra...nada fica oculto!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Harmonia

Um pouco de Primavera
nas mãos que se cruzaram um dia
e permanecem em verdade
neste Outono de saudade...

Quem me dera ter-te
mais perto
partilhar mais contigo
o chá de tília
que as nossas mãos aquecem...

Estar pela noite dentro
em harmonia de palavras
onde a verdade é o sentir global
das coisas palpáveis...

Partilhar silêncios
tão nossos
momentos criados
dos sonhos que se tocam
em perfume de rosas amenas
nos rios de água a fluir
entregar-te a Primavera
nos Invernos duros
onde os muros se quebram
com a transparência dos sentires...
De frente com a mente aberta sem vento...acaricio o tempo porque ele está presente em todos os momentos...é ele o dono da claridade!
Um pouco de Primavera
nas mãos que se cruzaram um dia
e permanecem em verdade
neste Outono de saudade...
Com a luz da manhã no olhar calo a noite e as sombras que se movem...perante a luz a claridade é  primordial a acompanhar os passos!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

A lua também sonha no pavio dos dias que dormem sem sono...nas frestas das estrelas brilha mais intenso o sonho da ilusão descoberta no despertar ameno das pestanas ruivas de Invernos!
Entre sombras e troncos vestidos de vida inundo o meu sentir...os raios de sol espreitam o pó da terra por onde caminho de alma leve nas sombras calidas dos dias intensos!

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

As maiores (des)ilusões vêem sempre da proximidade...das distância já nós lhes conhecemos os passos...
Nasce o dia e com ele renasce a minha sintonia com as horas claras na subtileza dos raios de sol que iluminam as sombras...a noite é efémera...o dia também...somente a essência interna é eterna nas horas completas do eu sou...

domingo, 11 de novembro de 2012

No silêncio de tantas ausências a melodia preenche o sabor do meu caminhar na leveza que solitária a minha harmonia não se afasta...

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Sou uma fortaleza frágil numa fragilidade forte... na força impulsiva que é em mim vida!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Despertou o canto dos pássaros num amanhecer em azul sereno vestido do calor que me abraça os sonhos...o orvalho fresco do Outono reveste os sentidos em pigmentos celestes na brisa quieta do olhar!

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Que se rasgue as cinzas do olhar para tocarmos o horizonte verdejante de onde a luz beija o caminhar...
Serei sempre a fragilidade de cada emoção na fortaleza de cada convicção...num caminhar entre pedras e aromas...a alcançar as barreiras mais ténues no horizonte palpavel pelo meu olhar...
Entre os voos e as realidades o que fica é a fonte incessante do Amor...a sua raiz firme...na serenidade das tempestades...na fragilidade da quietude...na bonança de todos os tempos!

sábado, 3 de novembro de 2012

E quando há uma explosão de sentires o que se pode dizer...nada...uma lágrima no olho...um sorriso rasgado...um olhar de gratidão numa imensidão onde o nada é o bastante!
Perdida de certezas percorro as águas num caminhar alienado...as sementes navegam nas turvas águas onde o rio morre para dar lugar ao mar...imenso e amplo entrega à terra o que dela provem...ao encontro da Primavera anunciada nas asas negras no regresso das andorinhas!
Impregnado de ruídos o silêncio esvazia-se para caminhar na serenidade onde sabe calcular os actos com gestos suaves de ternura...abraçar as palavras numa loucura sana onde os poemas fermentam numa libertação audaz do pensamento...inquieto por natureza...imperfeito na poesia desconectada dos perfeitos!
 
Fugirei um dia das palavras num silêncio a cantar letras soltas...entregarei todas ao vento para que as leve até ao horizonte perdido...onde se encontra a voz que as sabe soletrar...e na alma as embalar!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Entre o magnifico e o belo perco o olhar...submeto o pensamento ao tempo...somente para voltar a ver se há ou não magnitude ou beleza...no sentir que assim diz...