segunda-feira, 3 de junho de 2013

Os nevoeiros teimam em não abandonar as águas...são ténues todas as margens...as asas escorregam em cascatas frias ao som rubro das pulsações onde o cansaço do corpo contagia a alma que teimosamente vagueia nos verdes prados regados pelo olhar...

Sem comentários:

Enviar um comentário