quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Esta voz que não vejo mas sinto murmura sinfonias do vento em clarões azuis na noite que agora se move rumo a um novo dia vestido de sol mesmo coberto de chuva...

Sem comentários:

Enviar um comentário