segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Para se saciar a sede do relógio parado no vento, as gotas desprendem os sons a navegar por margens onde os cosmos despertam…a claridade dos passos a cada novo amanhecer onde o olhar encontra a suavidade e todo o sentir !

Sem comentários:

Enviar um comentário