quarta-feira, 8 de outubro de 2014

O poeta ajoelha-se no chão do espírito, escreve ao som da alma...rasgam-se da carne versos que sangram num profundo respirar em suspiros de silêncios entregues à rua das ilusões!

Sem comentários:

Enviar um comentário